Depoimentos

Leia vários depoimentos , se emocione e  se apaixone por essa modalidade !!

Taty Guerreiro

Comecei a praticar pole dance em maio de 2011, após sair de uma gravidez com obesidade e diabete gestacional, além de depressão pós-parto. Fui orientada a praticar atividade física para me livrar de medicamentos fortes  para a depressão, então escolhi o pole dance.

Na época o pole ainda estava começando a ser visto como modalidade esportiva, mas o que me atraiu foi por ser uma atividade aeróbica e anaeróbica.

Foi tão bom e me fez tão bem que me incentivou a perder peso, além do gasto calórico, precisava ter disciplina na minha alimentação para evoluir, uma parceria incrível o que o pole faz por nós, nos obriga a sair de nossa zona de conforto, querer mais, nos aceitar em frente o espelho e saber que cada evolução e cada kg que eliminava me impulsionava a buscar mais.

Mas ainda não estava satisfeita, fui pesquisar sobre a melhor academia que pudesse treinar, que pudesse me entender, com técnicas mais dinâmicas e de professoras que também sendo atletas era envolvidas nessa paixão. Encontrei-me  enfim ,  quando entrei na Academia de Pole Dance Cristina Longhi.

Hoje com 2 anos nesta academia me tornei instrutora de pole dance , tendo como exemplo minha professora e amiga Priscila Neres, após ter eliminado 27 kgs, ter me livrado de fortes medicamentos para a depressão e estar alcançando a meta de um corpo muito melhor do que quando tinha 15 anos, quero levar também a outras mulheres a prática desse esporte tão divino!

Taty Guerreiro -Assistente administrativa e instrutora de pole dance .

 

Denise Martins

Antes de falar sobre o meu início no mundo do pole, vamos voltar para o dia 12 de Dezembro de 2013. 

Neste dia eu estaria enfrentando pela segunda vez uma cirurgia no joelho (Sinovite vilonodular, para quem quiser saber mais a respeito). A primeira vez, foi quando eu tinha 15 anos (2001). Até então eu praticava esportes como natação e futebol, mas depois da primeira cirurgia acabei me distanciando do mundo esportivo, voltando apenas no início de 2013 com corridas diárias. Infelizmente o probleminha no meu joelho voltou, mas continuei praticando as corridas, afinal, eu não aceitava parar novamente de fazer algo que gostava. Assim cheguei na segunda intervenção cirúrgica, com um joelho bem mais debilitado mas, principalmente, muito deprimida com a situação de não conseguir fazer coisas das quais tanto gostava.

 Mas esta não é uma história triste, pois foi por causa de toda esta trajetória que cheguei ao mundo do pole dance no dia 07 de Fevereiro de 2014, e mal sabia eu que minha vida mudaria para sempre! Eu vi no pole uma oportunidade de aliar exercícios físicos com a minha situação de “joelho bixado”. Para minha surpresa, ele se tornou algo bem mais além do que isso: ele se tornou a minha energia, o meu psicólogo, a minha auto-estima, a minha adrenalina, aquele momento que era só meu (eu e o pole), a minha concentração, mas acima de tudo, a sensação de uma alegria que enche todo o meu interior de uma forma como nunca havia sentido!

Mas a surpresa não estava completa. Sabe aquela sensação de estar no lugar certo, na hora certa, com as pessoas certas? Pois é, isto aconteceu quando entrei na Academia da Cris no dia 18 de Março deste ano. Em toda minha vida, nunca imaginei que fosse encontrar pessoas tão especiais, unidas pelo amor do pole, em um só lugar, e que se tornariam tão especiais pra mim!

Moral da minha história: Muitas vezes acontecem coisas na nossa vida que julgamos ser ruins, entretanto tudo que acontece abre portas para outros caminhos, caminhos estes que você não tinha planejado seguir ou não tinha pensado a respeito, mas que podem te trazer grandes felicidades e experiências incríveis! Conhecer o pole foi como me reencontrar, como se estivesse perdida e finalmente achei o meu lugar, e por mais que eu tenha passado por situações não muito agradáveis, foi esta trajetória que me trouxe até o mundo do pole dance, e hoje eu sinto uma gratidão imensa por isso!

Denise Martins – Bióloga/Pesquisadora (Bolsista de Pós-graduação no Instituto de Biociências, USP)

 

 Juliana Romero

Minha história com o Pole dance iniciou-se em meados de 2009, quando fui procurar por algo que eu nunca tinha feito e me deparei na internet com o famoso Pole Dance, achei interessante, mas confesso que fui fazer a primeira aula com certo receio, achei que de alguma forma ficaria constrangida por conhecer até então somente o lado sensual que o Pole Dance carregava, mas para a minha grata surpresa, conhecei uma modalidade esportiva incrível, onde força e técnica se unem de forma majestosa e em pouco tempo eu já estava treinando, fazendo várias aulas na semana e indicando para todo mundo que eu conhecia. Tive uma evolução rápida e eficaz que me rendeu uma outra grata surpresa, minha professora na época Cristina Longhi me chamou para dar aula em sua academia, foi um sonho!!!! Tive oportunidade de crescer ainda mais como atleta, conhecer mais a fundo a modalidade esportiva, treinei com grandes campeãs e vi a evolução de gente que assim como eu veio um dia apenas para conhecer e se apaixonou. Aí, você me pergunta, qual foi o resultado disso tudo? E eu te respondo: “Foi com certeza uma das minhas melhores escolhas, não troco por academia nenhuma!” Em pouco tempo vi meu corpo mudar absurdamente, fique com uma cintura que antes eu nunca nem sonhava em ter, meu corpo ganhou definição e torneamento, ganhei flexibilidade e acima de tudo uma autoestima incrível! Infelizmente, por causa da faculdade e trabalho tive que me afastar dos treinos, mas nunca deixei o Pole Dance totalmente de lado e como prova disso, aqui estou novamente após anos como aluna na melhor academia do Brasil, ammooooooooooooooooo Pole Dance, é esporte, é vida, é saúde física e mental!

Juliana Romero – Bióloga e completamente apaixonada

por Pole Dance Fitness

 

Marilia Arietti

Nunca gostei de atividade fisica, no colégio achava uma tortura ter que fazer educação física que era obrigatória até que em dez/2011 fui numa apresentação de fim de ano da Academia Pole dance Cristina Longhi a convite da minha cunhada (Alessandra Rancan) que treina lá e fiquei deslumbrada com as apresentações.

No começo fiquei com receio de começar, pois não tinha NADA de flexibilidade e nem tinha força, mas como me falaram que eu não precisava ter nenhum pré-requisito, resolvi arriscar fazer uma aula experimental e me apaixonei logo de cara !!

O pole trabalha muito a força e flexibilidade do corpo todo e eu me divirto ao mesmo tempo . Gosto do pole, pois é uma atividade desafiadora e viciante, me faz querer treinar cada vez mais pra conseguir fazer os movimentos mais difíceis e que exigem mais força e flexibilidade, faz com que eu tenha disciplina e consiga me superar a cada dia de treino. O pole desafia o meu corpo e eu me surpreendi com as coisas que consegui fazer após poucas semanas de treino.

Em pouco tempo perdi medida comecei a ter uma vida muito mais saudável. Hoje não consigo ficar parada !

 Pratico pole na Academia desde jan/2012

Marilia Arietti – Analista de Sistemas , 29 anos , casada

 

Luciane dos Santos Iriyoda

Apesar de adorar ler e tomar essa paixão como profissão, sou professora de literatura, sempre pratiquei esportes com certa regularidade. Gosto de me movimentar, pois no meu caso, sou como muitos chamam de “elétrica”. Assim, estava sempre entre uma corrida e outra, passeios de bicicletas e a musculação. Todavia, em fase de finalizar minha tese de doutoramento, parei tudo e fiquei mais de seis meses em casa, dedicando-me à leitura e escrita. Foi quando no início de março deste ano (2015), findando minhas pesquisas resolvi procurar me movimentar novamente. Já havia ouvido falar no Pole Dance, mas como muitos, acreditava que ele era somente uma dança sensual. Puro engano meu. Não imaginaria que uma prática a qual surgiu no yoga indiano a partir do século XII chamada Mallakhamb, dariam origem ao atual Pole Dance, paixão incondicional de quem pratica o esporte. O método que rapidamente se espalhou é uma mistura de dança e exercício físico, onde força, equilíbrio, elasticidade, resistência e muita disciplina são necessárias para a execução dos exercícios. Não há idade, corpo ideal, sexo ou qualquer outra segregação para praticá-lo, mas sim a vontade de conhecer e começar. Em apenas cinco meses sinto diferenças significativas em minha postura, corpo, bem-estar, autoestima, enfim, o desafio de cada aula é fascinante e motiva a você querer mais treinos. Fortalece o corpo todo de uma só vez! Não dá vontade de faltar às aulas, pelo contrário, as priorizo. Diferente de quando frequentava a academia de musculação onde qualquer motivo irrisório, era causa de falta. Hoje não, o Pole Dance é tão apaixonante, que faltar uma aula, só em casos urgentes. Ele é minha prioridade, ele é o esporte que eu escolhi para mim!

Luciane dos Santos Iriyoda-  Doutora pela Universidade Estadual de Londrina em Literatura Brasileira. Professora de Literatura em colégios de Ensino Médio na cidade de São Paulo. Professora de Pós-Graduação em Universidade Privada do Paraná.

 

LUCIANA FREITAS DE ARRUDA

Um dia, pela manhã assistindo uma reportagem sobre pole dance no Programa da Ana Maria Braga , me chamou atenção, cheguei atrasada no trabalho, mas assisti até o fim. A atleta em questão era nada mais..nada menos que Alessandra Rancan. Eu já tinha muita vontade, mas achava que jamais conseguiria fazer qualquer movimento daqueles. Procurei na internet o local que ela treinava ou dava aulas. Para minha surpresa, era exatamente na região que eu morava e na academia que eu já havia pesquisado, Cristina Longhi, respeitada e admirada no mundo do pole….e lá fui eu tentar uma vaga. Eu digo que o pole dance mudou a minha vida em todos os sentidos. Mudou o meu corpo, as minhas atitudes, mudou até a minha alimentação, pois adquiri disciplina… A atenção e o carinho prestados por profissionais de respeito são inigualáveis. Uma escola que tem um clima muito família, uma energia muito boa, pois as professoras Alessandra Rancan e Priscila Neres são as melhores. Focam nas nossas dificuldades para se chegar a um resultado incrível. Hoje, quase dois anos, me sinto outra pessoa e agradeço de coração a Cristina Longui por me receber e me tratar tão bem e as professoras pela paciência e confiança, Alê Rancan e Pri Neres! Amo essa Escola.

 

Euselene Santos

Desde pequena sempre gostei de praticar esporte, comecei no Ballet,  fiz dança de  salão , amo dançar!

Com o passar dos anos  ficou difícil  conciliar o esporte com minha profissão, pois fazia faculdade e trabalhava praticamente 24 horas( 12h no trabalho e 12h no internato), quando me formei   para Enfermeira   e arrumei emprego na área ficou mais tranquilo para praticar esporte.

Conheci o Poledance através de uma amiga minha atleta Naara Borges, no começo eu achava que era somente uma dança e que não fazia esforço nenhum, mas estava muito enganada, quando vi realmente o que era me encantei, pois além de dançar , ser sensual, sentir-se mais feliz com meu corpo e comigo mesmo, pois tem movimentos que achava impossível e derrepente conseguir fazer era muito bom,   e  ainda podia ficar em forma  (não precisava fazer musculação que acho muito monótono) , isso realmente me deixou muito interessada.

Comecei a praticar e não quero parar mais!! 

 

 

 Marjorie Anunciação

Eu sempre gostei dança, sempre amei dançar… Comecei a fazer ballet aos 4 anos de idade e parei com 16 anos, parei porque me machuquei e perdi uma grande oportunidade acabei me frustrando e larguei tudo.

Depois disso meu nome era SEDENTÁRIA. Caramba eu não queria fazer nada de atividade física e comia de tudooooooooo.

Fui mãe cedo, e ai que larguei tudo, contei com a sorte do meu corpo voltar numa boa sem grandes marcas de gravidez. Mas o sedentarismo só aumentou.

Os anos foram passando e o corpo mudando, o peso aumentando e comecei a me desesperar, até que o ano passado em Setembro/2014 mês do meu niver ganhei um vestido de presente. Fiquei super feliz pq ele era lindo, até que fui vestir e ele não entrou. Fiquei triste e no dia seguinte fui na loja trocar, quando entrei no provador para experimentar um numero maior (que por sinal também não serviu), comecei a chorar ao me ver  no espelho.

Comecei ai a fazer dietas malucas que não me trouxeram resultados nenhum… Comecei a fazer a musculação mas como nunca foi minha praia logo abandonei.
 Dai uma amiga que faz aula na academia Cristina Longhi, me contou que fazia Pole Dance e me apresentou essa modalidade e fiquei apaixonada.

Quando fiz minha primeira aula, sai da academia com uma alegria que não cabia dentro do meu peito. Aquela paixão pela dança voltou e logo me matriculei, com o decorrer das aulas comecei a sentir a necessidade de me cuidar mais.

Dai comecei a fazer, reeducação alimentar e comecei a perder peso, em pouco tempo vi que os resultados foram aparecendo. Até hoje Agosto/2015 foram seis quilos e meio em 7 meses de Reeducação e Pole Dance uma dupla e tanto que transforma todos que se unem a ela.

Hoje me sinto uma pessoa diferente, o Pole me mudou de dentro para fora,  mudou minha cabeça e meu jeito de ser. Acho que é a combinação de sensualidade e força, hoje tudo que uma mulher precisa ser: FORTE sem perder a SENSUALIDADE e a feminilidade.

Devo muito as minhas professoras, a Priscila Neres teacher de Pole Dance que me ajuda, me ensina, me da bronca, me carrega nos braços para que eu aprenda todos os movis. A Alessandra Rancan teacher de FlexDelicia que esta me ajudando a transformar meu corpo novamente para que os movimentos saiam ainda mais bonitos. E lógico a DIVA MÃE Cristina Longhi por dedicar seu tempo e espaço a essa Academia, a fazer o seu melhor para que as alunas sejam ainda mais felizes.

Hoje eu me sinto outra pessoa, muito mais mulher, feminina, mais forte, mais feliz, não tenho palavras para descrever a alegria que eu tenho por fazer parte dessa FAMÍLIA chamada ACADEMIA DE POLE DANCE CRISTINA LONGHI.

Mariana Wetzel

Sempre fui u

ma pessoa um tanto quanto hiperativa. Desde criança nunca soube ficar quieta. Não tenho memórias de ficar sentada brincando de barbie ou de boneca pois sempre estava pendurada em alguma árvore tentando descobrir como chegar mais alto ou de cabeça para baixo em algum lugar (fosse pendurada nos brinquedos no parquinho, fazendo estrelinha, parada de mão na parede ou até mesmo em alguma árvore). Além de tudo, cresci fazendo esporte (natação, ginástica olímpica, capoeira, e por aí vai) afinal, como diz minha mãe, eu fico muito chata quando não pratico nenhum exercício físico. 

 Meu ultimo vício de exercício antes do pole foi pela minha academia (mais especificamente pelas aulas, pois nunca gostei de musculação) na minha pequena cidade. Logo passei na faculdade e tive que me mudar. Na cidade para onde fui não encontrei nenhuma academia que eu gostasse, passei 4 anos pulando de uma academia para outra sem conseguir me manter mais que 3 meses firme nenhuma.

 Já tinha visto vários vídeos apaixonantes do pole dance mas não sabia onde poderia fazer e tinha medo de ir à alguma aula e ser voltado apenas para o pole sensual. Descobri uma academia por uma amiga, logo fui experimentar e confesso que foi “amor à primeira aula”. Me apaixonei por todos os exercícios que eu fiz no dia e fiquei babando nos movimentos das alunas mais antigas, não precisei nem pensar antes de fazer minha matrícula após minha aula experimental. 

O pole reviveu o meu antigo e eterno amor de estar “nas alturas” e de cabeça para baixo (parece bobo, mas esse é um amor que tenho desde criança), além disso me fez ganhar muita força (coisa que eu nunca consegui com academia),  fui vendo meu corpo mudar aos poucos, meu alongamento melhorando, meu antigo espacate de criança querendo voltar, e tudo de uma forma tão divertida, minha auto estima foi lá pro alto, conheci pessoas maravilhosas e me sentia mais leve a cada aula. Diferente da academia, faltar em uma aula de pole virou uma tortura. Cada movimento conquistado é motivo de vitória e cada roxinho novo no corpo, um motivo de orgulho.

Terminei a faculdade e logo tive mais uma mudança, desta vez para uma cidade maior: São Paulo. E na minha nova rotina de trabalho o dia inteiro eu tinha que arrumar um espaço para o pole (já virou uma questão de necessidade). Novamente me apaixonei. Além de estar cada vez evoluindo mais e estar em um lugar maravilhoso, ganhei de brinde uma turma maravilhosa, com pessoas mais que especiais, que comemora comigo cada vitória e me ajuda cada vez mais à alcança-las (e eu o mesmo com elas) o que me faz não me sentir sozinha na grande selva de pedra. Mesmo após a correria e o stress do dia, por mais cansada que eu esteja, eu vou para o pole e esqueço de todos os meus problemas e sempre volto pra casa feliz. Não penso nunca em parar. O pole hoje é uma peça essencial para a minha felicidade!

Vanessa Barbosa 

Em Julho/2014, depois de uma discussão no casamento, emagreci ao ponto de pesar 37kg e vendo que a única solução era a separação, procurei ocupar a mente fazendo algo para mim. Mas eu não queria um curso, não queria os espelhos de uma academia de musculação porque eu sentia vergonha do corpo que eu tinha. Sentia vergonha de mim mesma por ter chegado num extremo de descuido! Eu queria me desafiar!!! e por ter uma amiga que faz pole,perguntei pra mim mesma: Por que não? Exatamente dia 04/08/2014, encontrei na internet os dados da sua academia e resolvi mandar um e-mail perguntando como funcionava. Tive retorno no mesmo dia e agendei minha aula experimental para dia 14/08, uma quinta-feira…quinta é justo o dia que eu digo que me acontecem as melhores coisas pois nasci em uma quinta-feira! Cheguei para a aula com muita vergonha por conta da minha magreza e me senti muito bem por ter sido muito bem recebida pela professora que hoje é minha referência: Priscila Neres.

Fiz a aula, saí com hematoma, pé doendo mas muito feliz…Feliz em saber que eu poderia me desafiar e conseguir! Mais feliz ainda porque a Pri viu a minha vergonha e o medo em não conseguir e disse: Não esquenta a cabeça porque você consegue…eu não sabia nada e estou aqui! Então você consegue sim!!!

Não pensei duas vezes e me matriculei para início na próxima semana e já fazendo por duas vezes na semana…

Lembro que fui embora pra casa com a alma leve…

Na segunda aula, na terça-feira, fui muito bem recebida também pela Ale Rancan, que também percebeu minha dificuldade e me ajudou muito também, sempre dizendo que seríamos capazes sim e era só tentar.

Ser bem recebida por vocês, acolhida e desafiada, me fez muito bem e me ajudou muito a superar o final do meu casamento.

Hoje, 1 ano depois, com a minha saúde restabelecida, minha postura corrigida, minha auto-estima recuperada, pesando meus tão sonhados 50kg posso dizer que o Pole além de fazer bem para a mente, corpo e saúde é uma santa terapia e a cada movimento que consigo realizar, é um motivo a mais para me desafiar a fazer mais e melhor.

Hoje sim posso dizer que sou capaz de qualquer coisa desde que eu faça com o coração…e que minha coluna é flexível que eu nem sabia kkkkk

Muito obrigada a você Cris, por ter aberto as portas e óbvio que tenho que agradecer sempre a Alê Rancan e Pri Neres por terem tanta paciência e serem simplesmente sensacionais!

Gratidão será sempre a minha palavra à vocês!!!

Bjuuusssssss